segunda-feira, 29 de março de 2010

A história da distorção

A distorção que todos adoramos foi criada por acaso, utilizando amplificadores em volume máximo,
fazendo com que o amplificador entrasse em operação crítica e trabalhasse em regime de não linearidade,
o que fazia com que o amplificador modificasse o sinal da guitarra,
de tal forma, que parecia com que fosse um outro instrumento.
Outro modo com que também se atingia a distorção, era quando amplificadores ou suas válvulas eram danificadas, ou até mesmo danificando o cone do amplificador com furos ou com alfinetes propositadamente para se conseguir o efeito.

Durante a gravação da música "Rocket 88" (Considerada a primeira canção Rock 'n' Roll da história),
Ike Turner e o guitarrista Willie Kizart usaram um amplificador danificado,
resultando provavelmente na primeira gravação da guitarra distorcida.
Durante uma apresentação da banda Johnny Burnette Trio, uma válvula do amplificador caiu,
fazendo com que o som de sua guitarra ficasse distorcido.
Quando viu as críticas comentando sobre seu "novo som", Burnette resolveu recriar o efeito em estúdio.
Outro bom exemplo foi quando o guitarrista Link Wray acidentalmente deslocou uma válvula do amplificador criando um som sujo e ruidoso, e acabou criando o hábito de fazer isso para utilizar esse efeito "sujo" em seus solos. Observando esse feito, Leo Fender desenvolveu uma nova série de amplificadores valvulados que criaria o efeito Overdrive.

Já no começo dos anos '60, os pedais FuzzBox foram popularizados por guitarristas como Jimi Hendrix e George Harrison.

Pedal Gibson Maestro Fuzz-Tone FZ, um dos primeiros pedais FuzzBox a serem comercializados (1963)

Fica aí um pouco da história da distorção, espero que tenham gostado!

5 comentários:

Não é permitido Spam ou comentários ofensivos.