sábado, 24 de abril de 2010

Piano falante

Muitos músicos concordam que o piano "fala" com suas lindas melodias e o feeling passado pelo intérprete. Porém o compositor australiano Peter Ablinger levou isso muito literalmente e conseguiu fazer um piano falar de verdade! Peter digitalizou a gravação de uma criança falando, convertendo as frequências da voz em MIDI, utilizando um software que Peter mesmo desenvolveu em Pd (Pure Data),
e programou um piano mecânico para reproduzir o som.




"Eu decompus essa fonografia, ou seja, a gravação de algo, no caso a voza voz, e, "pixels" individuais.
Se eu tivesse a possibilidade de renderizar numa resolução alta o sificiente (Que eu só consigo com um piano mecânico), então eu de fato, restauro um tipo de continuidade.
Então, com um pouco de prática, ajuda ou com legendas, conseguimos escutar uma voz humana em um piano". (Peter Ablinger)


O processo básico consiste simplesmente em:
  1. Converter o áudio de uma voz gravada em uma série de eventos MIDI, que Peter chama de "Pixels";
  2. Reproduzir o áudio do arquivo MIDI, e o piano executa as ações, simulando então uma voz humana.

O conteúdo do discurso feito pela criança e digitalizado pro piano é um trecho de "Proclamation of the European Environmental Criminal Court" lido em World Venice Forum 2009.


Acredito que devemos lembrar que todo som é produzido por uma vibração que emite uma frequência sonora com suas ondas. Porém, digitalizar uma voz com um instrumento de teclas é algo deveras complicado, considerando que a voz humana em sí trabalha em conjunto com vários fatores, como a boca, língua e as cordas vocais, e o piano possui somente as teclas com suas respectivas notas.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Árvore musical

Criada por Mike Tonkin e Anna Liu, a "árvore musical" (Singing ringing tree - Panopticons) é uma escultura de 3 metros de altura formada por 1.000 tubos de aço galvanizado que com a ação dos ventos atuam como flautas.
  
Localizado em Lancashire, na Inglaterra, sua melodia alcança quilômetros de distância.
Os sons são totalmente aleatórios, cada tubo oferece uma nota diferente devido aos seus tamanhos diferentes, a direção e a intensidade do vento também diferenciam no som emitido pela "árvore".


Em 2007 a escultura venceu o prêmio de Excelência em arquitetura competindo com outros 13 candidatos.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

John Cage e sua obra experimental

John Milton Cage foi um compositor musical experimentalista, poeta, escritor e filósofo norte-americano.
Nascido em Los Angeles, foi um investigador incansável. Sua matéria prima é o óbvio, o cotidiano, tudo o que já existe mas que passa desapercebido ao sentimento general, elevando o barulho-ruído ao status de música, fazendo o mesmo com o silêncio.
Confira sua obra mais conhecida: 4'33"



Pois é, uma música experimental, inovadora? 4'33" é a música mais conhecida desse excêntrico compositor, sua partitura consiste somente em pausas, ou seja, NENHUMA NOTA É TOCADA DURANTE SUA EXECUÇÃO!
O título significa "4 minutos e 33 segundos", que foi o tempo que o público conseguiu escutar a obra sem reclamar quando esta foi executada pela 1ª vez.
Na primeira apresentação pública dessa obra, o pianista convidado para interpretar a peça entrou no palco, abriu a tampa do piano, e ficou parado, interrompendo o silêncio ocasionalmente apenas para mudar a página da partitura (Afinal, ele estava acompanhando as pausas). Ocasionalmente, ele fechava e abria novamente a tampa do piano, para indicar um novo movimento da música.

O público inicialmente ficou quieto, tentando entender o que estava acontecendo, após um tempo começaram a surgir os cochichos, as conversas, e então os protestos, daqueles que se sentiam lesados por terem pago para não ouvir nada!
Cage explicara que 4'33" não é uma música composta apenas de silêncio, mas sim de sons ambientes.
Para testar os limites de sua criação, Cage decidiu ouvir sua criação dentro uma câmera anecóica, que é uma sala construída de tal modo a cancelar todos os ruídos ambientes, mas mesmo assim, Cage não ouviu o silêncio absoluto, ele ainda conseguia ouvir um barulho: o ruído do próprio coração.
Ou seja, em sua forma mais pura, 4'33" é uma música formada apenas por ritmo.

John Cage buscava novas estruturas musicais, até descobrir que não precisava delas. Também ficou conhecido pelo uso não convencional de instrumentos e pelo seu pioneirismo na música eletrônica. Influenciou muitos artistas de todo o mundo e integrou o movimento Fluxus, que abrigava artistas plásticos e músicos. Cage também era um micologista amador, adepto de ideiais zen-budistas e era um colecionador de cogumelos.

Outra obra curiosa desse compositor é uma peça para orgão que se chama ASLSP ou "As SLow aS Possible", (Em português "O mais lento possível"), e como o nome sugere, a canção deve ser tocada o mais lento possível!

Em 1997, durante uma conferência de músicos e filósofos, foi discutida as instruções de Cage para se executar a peça As SLow aS Possible, tendo em mente que o orgão é um instrumento que não impõe limite de tempo das notas, ou seja, tem um sustain ilimitado.
Surgiu então um projeto para se tocar essa música, com previsão de que dure 693 anos para se tocar a peça completa! A partitura da peça consiste em 8 páginas, e o tempo da música foi estudado para que a peça seja executada corretamente na duração de 693 anos.
O projeto teve início em 2001 e está em andamento até hoje!!!

Sua execução começou dia 5 de setembro de 2001 (dia do 85ª aniversário de Cage), com uma pausa que durou 17 meses, até o dia 5 de fevereiro de 2003, quando foi tocado o primeiro acorde que durou até 5 de julho de 2005. Os últimos acordes tiveram início dia 5 de janeiro de 2006, que só será concluido dia 5 de julho de 2012. e o último acorde executado aconteceu em 5 de julho de 2008.
A performance da obra está planejada para continuar até o dia 5 de setembro do ano de 2640.

Orgão da igreja de St. Burchardi em Halberstadt, Alemanha. Onde a obra está sendo tocada.



































Outra obra interessante de Cage se chama Longplayer, que é uma peça baseada num tema já existente composto por Jem Finer de 20 minutos e 20 segundos de duração, que quando processada por um computador usando um algorítimo simples, dá a música um grande número de variações que quando tocada consecutivamente faz a música durar 1000 anos!!!
Sua execução teve início dia 1 de janeiro de 2000 e se tudo ocorrer como planejado, continuará até o dia 31 de dezembro de 2999, quando a música irá se repetir!

John Cage se considerava um compositor percussionista, pois seu trabalho é baseado em tempo de duração e rítmo ao invés de notas (Frequências sonoras).
Quando Cage escrevia algo, ele não escutava música no que compunha, ele escrevia para escutar algo novo, que não tenha escutado antes.
Seu método de notação musical era diferente, Cage criou seu próprio método de notação musical, deixando de usar partituras.
O método de notação de John Cage consistia em "desenhar" a música, fazendo com que a notação mostrasse os sons existentes no ambiente. Cage não era feliz com as limitações das notas musicais, pois toda nota emite uma certa frequência sonora, o que para Cage limitava muito suas composições.

Método de notação musical criado por John Cage:















Existe muita polêmica e controversia sobre as obras de John Cage, alguns o chamam de gênio, outros o consideram maluco. De que lado você está?

Espero que tenham curtido o post, até mais!

terça-feira, 13 de abril de 2010

i-Tab, Songbook eletrônico (Teleprompter para guitarristas)



Nem sempre um músico pode decorar tantas músicas em tão pouco tempo, pensando nisso uma empresa norte-americana criou um telepromter para guitarristas/violinistas, onde o músico poderá ter "colas" de cifras e letras enquanto toca.
O aparelho conta com uma tela touchscreen de 5 polegadas que fica preso ao headstock do intrumento, as letras e cifras se ajustam conforme o músico toca a música.



Especificações:
•4GB de memória interna
•Suporta até 2500 músicas
•200 backing tracks
•100 videos covers.
•Toca arquivos no formato MP3 e MP4.
•Saída com conexão para TV
•Carregador
•Saída para fones de ouvido
•Caneta Stylus











Fonte: http://i-tab.com/

terça-feira, 6 de abril de 2010

Music from a tree (Tocando uma árvore)

Essa idéia saiu da cabeça de Diego Stocco, que tem no quintal de sua casa uma árvore, e um dia se perguntou se poderia criar uma peça musical com ela.
Para "afinar" a árvore, ele simplesmente escolheu o tom de sua peça e afinou os galhos aparando-os com um apontador de lápis.
Para a gravação ele utilizou dois microfones Røde NT6 e um  NTG-2 em conjunto com um estetoscópio customizado. Foi utilizado o software ProTools LE e nenhum sintetizador ou sampler para criar ou modificar os sons, todos os sons vieram da própria árvore, sacudindo a folhagem, utilizando um arco nos galhos, batucando ritmos na casca da árvore, etc.
Confira um pouco desse trabalho no mínimo curioso:

Diego modificou um estetoscópio com a utilização de uma mangueira, a conexão entre a mangueira e o microfone teve que ser selada para boa transmissão do som.



Nesta foto ele está gravando baixas frequências utilizando de um grande pedaço da casca da árvore, ele utilizou o som como um bumbo de bateria.



Dois microfones Røde NT6 presos aos dedos com elásticos.
Ele teve essa idéia pois suportes de microfone não são muito praticos em certos locais, e também porque desta maneira ele poderia mover dinâmicamente os microfones durante a gravação.

Afinando o galho, apontando-o com um apontador de lápis.



Utilizando o arco no galho que foi usado para dar o baixo da música.



Utilizando o arco no galho que deu as notas agudas da música.















Confira o vídeo da música:

Fonte: http://www.behance.net/Gallery/Music-from-a-Tree/263872

Bônus: Music from a bonsai (Tocando um bonsai).


Interessante, não? espero que tenham curtido, até mais!

domingo, 4 de abril de 2010

A escala diatônica e sua relativa

Toda sexta nota da escala diatônica maior, é a sua relativa menor. Por exemplo na escala de Dó, onde temos um Lá menor no sexto grau (Ou uma terça menor abaixo):
C, Dm, Em, F, G, Am e Bº

Escala Diatônica de Dó maior (C)

Escala Diatônica de Lá menor (Am)

Reparem que ambas as escalas possuem as mesmas notas,
porém, com a ordem alterada e um shape diferente.

Escala de C:
C, D, E, F, G, A, B

Escala de Am:
A, B, C, D, E, F, G

Repare também que a relativa maior da escala diatônica menor é a terça da escala,
ou seja, no exemplo de Dó maior, a escala relativa menor é o Am, e na escala de Lá menor, sua relativa maior é o C, encontrado na terça da escala (A, B, C, D, E, F, G)
Sabendo identificar as notas, fica fácil descobrir as escalas relativas de todas as escalas.

Como puderam perceber, isso é algo muito simples, espero que a informação tenha sido de proveito!
Aguardem mais conteúdo e até a próxima!